O Coronel

Os torcedores mais novos talvez não saibam, mas o grito mais marcante da torcida atleticana, foi criado por um torcedor conhecido como Coronel. Ele era um guardador de carro que sempre estava nos jogos do Atlético na Baixada e tornou-se um personagem folclórico das arquibancadas.Em 1988, num dos jogos da final contra o Pinheiros, no Pinheirão, ele pela primeira vez puxou o grito:

A-TLÉ-TI-COOOOOOOOOOOO

Começava gritando baixinho e pausadamente, até que aquele grito ia crescendo e se tornava forte. A torcida entrou na onda e o grito pegou. Neste primeiro jogo, foi meia hora pelo menos, gritando A-TLÉ-TI-COOOOO sem parar.

Kid 2, a kombi da Fanáticos

Em 1987, a Fanáticos ganhou uma Kombi, doada por Basílio Vilani, que tinha sido usada em sua campanha eleitoral. O problema é que a Kombi era verde e seu motor não estava lá essas coisas. Então, a torcida mandou a Kombi pro conserto e para que fosse devidamente pintada de vermelho e preto.

 

No dia de buscar a Kombi, o pessoal se reuniu na sede para esperar um dos fanáticos ir buscá-la. Eis, que ele quando chega à Baixada, bateu a Kombi no portão. Carinhosamente, a Kombi ganhou o apelido de Kid 2 e ficou daquele jeito mesmo, amassada.

 

Essa Kombi era o grande meio de transporte da torcida pro Pinheirão. Era nela que a Fanáticos levava seu material pro jogo e também vários torcedores. Fazendo com que muitas vezes a Kid 2 não agüentasse a viagem. Se o pneu furava, a galera tinha que erguer a Kombi no braço, pois não tinham macaco. Fora as muitas vezes que a torcida teve que empurrá-la para chegar ao Pinheirão.

O falecimento de Jofre Cabral e Silva

Um dos maiores presidentes que o Atlético teve faleceu em meio a um jogo do Atlético em Londrina, contra o time da casa. Seu coração não agüentou ver o Atlético perder.

 

O dr. Farracha estava em Londrina e nos contou a história.

 

“Jofre faleceu em Londrina e a diretoria precisava trazer o corpo para Curitiba. Lá estavam um ônibus de torcedores e alguns diretores de carro. Foi providenciada uma ambulância para trazer o corpo, porém, o motorista da ambulância tremia tanto que simplesmente não conseguia dirigir. Um dos torcedores que estava no ônibus teve que voltar dirigindo a ambulância para Curitiba.

  

Quando a ambulância chegou a Campo Largo, parecia que tinha jogo do Atlético por ali, de tantos torcedores atleticanos que esperavam a chegada do corpo, tamanha era a admiração por aquele presidente. De lá, os atleticanos foram em carreata até a Baixada, onde o corpo de Jofre foi velado.”