1985 – Despedida da Baixada

1985 foi um ano difícil, primeiro o coxa é campeão brasileiro, mesmo que com saldo negativo de gols. Depois foi a nossa despedida da Baixada. O jogo que marcou a despedida da Baixada foi o último jogo do campeonato paranaense, no dia 10/11 contra o Londrina, o Atlético venceu por 3×0.

Renato Sozzi conta como foi aquele dia:

“A polícia queria resolver com a gente (torcida) como faríamos a festa do título de 85. E nós tínhamos levado um monte de foguetes. E a polícia nos liberou pra entrarmos com alicates, pra cortar o alambrado, pra que o pessoal pudesse invadir o gramado pra comemorar. Só que eles nunca pensaram é se o Atlético não tivesse ganho de 3×0, tivesse perdido ou empatado o que íamos fazer com aqueles alicates.”

*****

O torcedor Renato Basso entrou em contato com o blog do Círculo de História Atleticana e mandou algumas fotos desse momento da torcida atleticana invadindo o gramado da Velha Baixada. Percebam o alambrado já meio cortado para facilitar a entrada em campo.

Foto: Renato Basso

Aqui o torcedor pulando pra dentro do gramado.

Foto: Renato Basso

Atletiba das Faixas, Atletiba das torcidas

O Coritiba havia sido Campeão Brasileiro e o Atlético Campeão Paranaense. Por esse motivo, as diretorias de ambos os clubes marcaram um Atletiba amistoso de entrega das faixas.

As torcidas organizadas dos dois clubes resolveram marcar um amistoso entre si. Como contou Renato Sozzi.

“O Luís Fernando da Jovem (do Coritiba) me ligou e disse: ‘Renato, já que o Atlético e Coritiba vão fazer o Atletiba das faixas no Couto, nós podíamos fazer um Atletiba das torcidas organizadas na preliminar, que acha?’ Eu topei na hora.

Reuni ali a moçada boa de bola e mais uma malocada, afinal íamos jogar com os coxas no Couto Pereira. Fazia fila na Baixada, de gente querendo se escalar pro time. Fui lá e falei com o Nilson Borges que nos emprestou todos os calções, camisas, chuteiras. Mas teve gente que chegou com aquelas chuteiras de trava de ferro enormes, pontudas, dizendo: ‘Eu jogo com a minha artiheira’.

Antes do jogo, eu pensei, vai dar M**** isso. E pra dar um caráter de coisa oficial, eu fui na Federação Paranaense e contratei um juiz e um bandeirinha.

Chegamos no dia do jogo, fomos pro vestiário e tudo. A galera estava bem louca pra jogar. Entramos em campo, e eu vi o Luís Fernando lá das arquibancadas gritando e me chamando. Olhei pra ele: ‘Ué cara, vocês não vão jogar com a gente?’ Ele respondeu: ‘O Evangelino não deixou a gente entrar em campo.’

E nós entramos no vestiário, entramos em campo, fizemos a festa e o Evangelino não deixou os coxas entrarem nem no vestiário deles. Aí a torcida inteira do coxa levantou e começou a gritar pra ele: ‘Bunda mole! Bunda mole!’

Aí eu chamei o juiz e disse: ‘Não vai ter W.O. aqui, nós vamos jogar, nem que seja contra o senhor mesmo, faz favor de apitar esse negócio aí.’ Ele apitou, e nós fomos os 11 com a bola em direção ao gol. Depois demos a volta olímpica no estádio. E voltamos pro vestiário, a maior festa.”

Anúncios

Um comentário sobre “1985 – Despedida da Baixada

  1. Tenho umas 05 fotos da festa no fim deste jogo na Baixada tiradas por mim, foram escaneadas, se tiver interesse te mando.

    Att.

    Renato Olivir Basso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s