A semi-final contra o Flamengo (1983)

O jogo no Rio de Janeiro

No primeiro jogo no Rio de Janeiro o Atlético foi a campo desfalcado de Assis e perdeu por 3×0.

Roberto Costa fala sobre este jogo.

“Foi difícil, se nós tivéssemos em 83, dois jogadores que tinham ido embora, que eram o Lino e o Bianchi, nós tínhamos sido campeões. Nós tivemos que improvisar o Flávio Mendes, o Oliveira e o Airton que eram juniors e trouxemos do Coritiba o Mauro Pelizzari que era o mais veterano.

Na hora ganhamos do América (RJ) que aquele Marcio Guedes* falou um monte de besteira lá, não tinha ninguém (público) no Maracanã. E aí quando nós entramos contra o Flamengo tinha 100 mil pessoas. Naquele dia o Assis não jogou, jogou o Peu, que coitado, era um bom jogador no Flamengo, mas quando veio pra cá… (Na época o Flamengo levou o Lino emprestado e mandou o Peu pra nós.)

E aí quando o pessoal entrou, Flávio Mendes e tal, todo mundo abobado (com a grandeza do Maracanã lotado) e tomamos um pênalti arrumado. No final do primeiro tempo, ao 42’ do Zico. E um pênalti que não foi, que o Robertinho se jogou em cima do Sérgio Moura.”

* Marcio Guedes: O então repórter da TV Globo falou no ar que o time do Atlético era um time medíocre. No jogo de volta a torcida do Atlético estende uma faixa: Medíocre é você Marcio Guedes. Resultado, a pressão atleticana (ligações para a tv) fez tanto efeito que o repórter foi demitido.

O jogo de volta em Curitiba

No jogo em Curitiba o Atlético precisava vencer por 3×0 para avançar a fase final do Brasileiro de 83. O Atlético lutou muito, fez 2×0 ainda no primeiro tempo e de repente o time parou.

Roberto Costa conta o que aconteceu naquele dia, esclarecendo uma dúvida que intriga muitos atleticanos até hoje.

“Sem citar nomes, porque a pessoa está sossegada agora, fica chato.

Nós perdemos lá de 3×0, começou o jogo e nosso time estava motivado pra sair pra cima do Flamengo. E nós fomos pra cima mesmo, tanto é que com 20 minutos de jogo estava 2×0 pra nós, cinco minutos depois o Capitão perdeu um gol sozinho, chutou, o Raul espalmou e a bola foi pra cima. E terminou o primeiro tempo 2×0 e só deu nós, nosso time estava sobrando dentro de campo. E todos os jogadores descendo a escadaria (pros vestiários) dizendo: “Vai dar, nós vamos chegar, nós vamos pra final”. O time estava muito focado.

Quando chegou no vestiário, todo mundo gritando, todo mundo animado. O treinador pediu pra gente sentar e ficarmos calmos. “Senta, vamos esfriar a cabeça, 2×0 está bom, o time do Flamengo é um baita de um time, tem o Zico, vão começar a jogar, nós podemos perder, o que vale é a última imagem, então calma, não precisa ir pra cima, vamos manter isso aí, os 2×0 que está bom pra nós.” E nós ficamos um olhando pro outro pensando o que íamos fazer. Aí saiu cada um pra um lado e ficou totalmente disperso. Tanto é que o time caiu muito de produção. E nós tínhamos um jogador no banco que quando entrava fazia uma fumaça danada, que era o Ivair, neguinho.

Aí chegou uma notícia pra mim lá no vestiário que eu tinha sido vendido pro Flamengo. Saiu até em rádio que estavam acertando minha ida pro Flamengo.

Falam um monte deste jogo, mas não houve nada disso, o que houve foi uma ducha de água fria. Aí nosso time perdeu o foco e o Flamengo cresceu. Porque no primeiro tempo nós não deixamos o Flamengo respirar, sufocamos o tempo todo, o Zico não tinha pego na bola. Nós tínhamos total condição de ganhar o jogo do Santos, se passasse do Flamengo.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s